IMG_6962.jpg
GS Performance

A reprogramação eletrônica nada mais é do que a alteração do software de um carro, regulando a injeção eletrônica ao injetar combustível e nos pontos de ignição do motor, tendo como resultado mais ganho de potência e torque, otimizando aquilo que já vem com o veículo, esta é uma alteração genuína e segura.

O que é feito?

No módulo eletrônico do motor está instalado o software que controla as calibrações de todas as funções, como injeção do combustível e avanço da ignição - de acordo com condições como a rotação do motor, carga do acelerador, temperatura ambiente, umidade do ar e até altitude.

Exemplificando, de forma resumida: a partir dessa programação, o carro sabe que estando a “x” rpm e com carga do pedal “y”, ele deve ter o avanço de ignição “a” e injeção de combustível “b”, condicionado ainda a condições de faixas de temperatura, umidade, altitude. Então, mudanças na rotação (x) ou carga do pedal (y) alteram o ponto de ignição (a) e o volume de combustível injetado, assim como as variações climáticas.

A menção ao "chip" para o procedimento vem da década de 90, quando ainda existia, de fato, um chip que era substituído (ou retirado para reprogramação). Atualmente, é através da porta OBD (on-board diagnostic) que é feito o acesso ao módulo de controle eletrônico e a alteração dos parâmetros originais de fábrica - basicamente da injeção de combustível, avanço da ignição e, quando existe, a pressão da turbina.

O ganho de potência é mais significativo em carros turbinados.